segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Influência da Amazônia no regime de chuvas do Sul e Sudeste

Cada dia mais os cientistas nos dão mais provas da importância da Amazônia para o Brasil e o resto do mundo. Somente um governo relapso e sem preocupação com a questão ambiental para não lutar com todas as forças contra a devastação desse imenso termostato natural.
Mais uma vez, me parece que somente quando a situação realmente se tornar catastrófica, alguma solução tentará ser tomada.


Fábio Amato escreve para a “Folha de SP”:

A elevação da temperatura média na Amazônia nos próximos anos deverá implicar uma maior ocorrência de chuvas fortes e intensas na região da bacia do rio da Prata, que inclui os Estados do Sudeste e do Sul do país, além de parte da Argentina e do Paraguai.

Isso significa que, no futuro, a região poderá registrar com maior freqüência problemas como enchentes e perdas na agricultura em razão do aquecimento global.

As conseqüências desse cenário são algo que qualquer cidadão paulistano já sente na pele todo verão: tempestades que alagam a cidade em questão de horas, matam gente -sobretudo nas regiões mais pobres- e causam prejuízos.

É o que conclui o pesquisador do Cptec (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos) Wagner Rodrigues Soares, em tese de doutorado que será defendida no começo do ano que vem no Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). O trabalho teve duração de quatro anos.

Soares analisou os ventos responsáveis por transportar umidade da Amazônia até a bacia do Prata, os chamados jatos de baixos níveis da América do Sul. A umidade transportada por esses ventos tem influência no clima no sul do continente.

Com ajuda de um programa de computador, o pesquisador calculou quantos desses jatos de baixos níveis ocorreram durante a década de 1980 e quantos devem ocorrer na década de 2080, em um cenário de aquecimento global previsto pelo IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática), no qual a Amazônia terá temperaturas médias de 2C a 7C superiores às atuais.

O resultado da comparação entre os dois períodos aponta um aumento de até 86% na ocorrência dos jatos durante a década de 2080.

A quantidade maior de jatos, segundo o estudo, deve elevar em cerca de 50% o fluxo de umidade da Amazônia para a bacia do Prata.

Convergência

"Com o aumento da quantidade de umidade, vai haver uma maior convergência, ou seja, a umidade que chega da Amazônia e aquela que já está na bacia do Prata se juntam e sobem para a atmosfera. Esse fenômeno é responsável pela formação das nuvens e das chuvas", diz Soares.

Segundo ele, o aumento da umidade está ligado a uma maior quantidade de eventos extremos de chuva na bacia do Prata. "Isso significa que as regiões Sul e Sudeste do país podem enfrentar mais enchentes e problemas na agricultura em um futuro com aquecimento global extremo", afirma.

De acordo com o estudo, o aumento da ocorrência dos jatos poderá resultar também em maiores eventos de seca na Amazônia, porque uma maior quantidade de umidade deve ser transportada da floresta para o sul.
(Folha de SP, 3/11)

(fonte: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=51984)

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Caro Guilherme,

    Me recuso a discutir ciência com alguém como você. Procure ler mais sobre a influência da amazônia no clima da região sudeste. Os oceanos com certeza são importantes reguladores da temperatura global, porém não só eles regulam o clima em escala local. Procure se informar mais sobre o assunto, pois é vergonhoso escrever com tanta prepotência sobre algo que não entendemos.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Bem, sem rodeios.

    Seu imbecil, mais uma vez vc vem aqui e faz cometários ridículos. Se vc quer descontar sua raivinnha reacionária, se masturbe pensando no Fidel Castro. Agora, não venha aqui falar besteira. Vc foi extremamente mal educado no seu primeiro comentário, então tenho total direito para escrever do jeito que escrevo agora. E, na boa, eu censuro o que eu quiser, o blog é meu, simples assim. Seu conhecimento científico é ralo, não disse nada, quer discutir sobre ciência? Beleza, vamos. Querer ficar brincando de quem é melhor em oratória, não é o propósito.
    Bem, como disse no comentário anterior, achar que só os oceanos regulam o clima da região sudeste, é ser muito simplista. Como falei, leia mais, procure mais fontes. Não disse, que é só os oceanos ou só a Amazônia, são os dois, cada um com sua importância.

    ResponderExcluir
  5. Seu viadinho! Tu não és homem de enfrentar/mostrar a verdade!6 de abril de 2009 17:12

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir